Logo Comunitas

A importância da aprendizagem socioemocional na escola

16/01/2018

*por Fernando Mesquita, diretor do departamento brasileiro do International School of Curitiba

As crianças não são adultos em miniatura, e por esse motivo precisamos oferecer a elas oportunidades de aprendizagem que vão além da esfera cognitiva.

Os currículos escolares tradicionais já não dão mais conta das demandas complexas do século 21. Há alguns anos, a promessa de uma educação integral era apenas uma filosofia. Atualmente a sua concretização se tornou um pré-requisito para o sucesso. A primeira década do século 21 nos mostrou que o mundo precisa de mais do que conhecimento e, dentro desse contexto, a escola tem um papel muito maior do que o ensino de matérias acadêmicas. Para formar jovens de maneira mais completa, precisamos desenvolver neles várias habilidades socioemocionais. Dentre essas habilidades e atitudes estão a autoconsciência, a autorregulação, a motivação, a empatia e a sociabilidade.

A importância da aprendizagem socioemocional tem sido amplamente debatida. A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico publicou um relatório recente apontando as habilidades socioemocionais como grandes motores do bem-estar e do progresso social. Vários outros estudos acadêmicos também indicam que essas habilidades estão relacionadas com o sucesso dos jovens.

Um exemplo desses estudos é uma pesquisa feita pela Universidade de Columbia, em Nova York, em que o pesquisador Walter Mischel deu um desafio a várias crianças: o desafio do marshmallow. Nesse estudo, as crianças ficavam sozinhas numa sala e tinham em sua frente um marshmallow. O pesquisador prometia às crianças que, se elas aguentassem esperar por 15 minutos sem comer o doce, elas ganhariam dois doces. Algumas crianças não resistiam à tentação e comiam o doce antes dos 15 minutos, demonstrando que não conseguiam retardar uma gratificação imediata. Quarenta anos depois, o pesquisador investigou a vida dessas pessoas e constatou algo em comum a todas as crianças que tiveram o autocontrole: em relação ao outro grupo, elas tinham melhores empregos, salários mais altos e estavam mais satisfeitas com a vida que tinham.

A aprendizagem socioemocional também ganhou ênfase em um relatório importante organizado pela Unesco durante debates sobre a educação para o século 21 com o filósofo francês Jacques Delors. A mensagem principal do “Relatório Delors” é que a prática pedagógica deve preocupar-se em desenvolver quatro pilares ou aprendizagens fundamentais: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser.

Esse relatório traz para as escolas a importância de se focar no “aprender a conviver” e no “aprender a ser” de forma sistêmica e institucional para que esse trabalho não dependa da iniciativa de alguns educadores e algumas famílias apenas. Tal tarefa só se consegue realizar quando escolas e famílias refletem e se esforçam para ensinar os jovens a administrar conflitos, a viver em comunidade, a colaborar em times heterogêneos, a respeitar a diversidade, a lidar com a frustração, com o fracasso e com as dificuldades apresentadas na vida.

As crianças não são adultos em miniatura, e por esse motivo precisamos oferecer a elas oportunidades de aprendizagem que vão além da esfera cognitiva (das habilidades de analisar, interpretar, deduzir, aprender). O respeito, a autoestima, a resiliência, a empatia, o autocontrole são importantes para que os jovens encarem os desafios pessoais, acadêmicos e profissionais no futuro.

Famílias e educadores podem promover o desenvolvimento dessas habilidades das seguintes formas: reforçando que a inteligência não é fixa e que ela pode ser desenvolvida com dedicação e esforço (mentalidade de crescimento), incentivando a criança a falar e escrever sobre os seus pensamentos e suas emoções, a praticar exercícios de respiração e meditação, a escutar o outro para entender e não simplesmente para responder, a achar algo positivo, mesmo em atividades que não gosta tanto de fazer, a elogiar o outro, a desacelerar, a utilizar as novas tecnologias com moderação, a pesar os prós e os contras antes de tomar decisões, a nutrir relações de amizade e a resolver conflitos de forma diplomática.

LEIA MAIS: Em Paraty, alunos terão ações para diminuir problemas comportamentais

Acima de tudo, para mediar a aprendizagem socioemocional, famílias e educadores têm de ser os exemplos do uso dessas habilidades nas suas relações. “À educação cabe fornecer, de algum modo, os mapas de um mundo complexo e constantemente agitado e, ao mesmo tempo, a bússola que permite navegar através dele”, disse Jacques Delors.

 

 

Postado originalmente no jornal Gazeta do Povo.

Últimas notícias:

Fábrica que dá autonomia ao Brasil na produção da Coronavac ficará pronta em outubro

A Comunitas está participando da governança e liderando a obra da fábrica, ao lado do Governo de...

Comunitas na Folha de SP | Parceria público-privada ativa 360 leitos do SUS para Covid-19 em Campinas

A rede Mário Gatti de hospitais foi apoiada pela iniciativa Ações de Enfrentamento à Covid-19,...

Com participação do BISC, relatório internacional que mede impacto global do investimento social é lançado

Clique aqui e confira a publicação completa Foi lançado o Global Impact at Scale: Corporate...

Comunitas divulga prefeitos selecionados para mentorias individuais da Jornada Desafios dos Futuros Prefeitos

Além de mentorias individuais, os(as) prefeitos(as) selecionados(as) receberão um diagnóstico...

Comunitas finaliza primeira fase de mentorias para prefeitos e equipes de transição de governo municipal

A segunda etapa será realizada no final de janeiro, com foco no desenvolvimento do plano de metas...