Logo Comunitas

Taxa de diminuição de homicídios em Pelotas é maior que a média nacional

11/09/2019

Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostram reduções mais profundas no município

De acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019, divulgado ontem pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a redução dos crimes violentos letais intencionais (homicídios, latrocínios e feminicídios) ocorreu de forma mais acelerada em Pelotas do que no Rio Grande do Sul e no país. Enquanto no município a diminuição foi de 30%, no Estado foi de 21% e no país, de 10,4%.

O Anuário reúne dados estatísticos dos 26 estados e do Distrito Federal. Os dados são coletados pelo Fórum a partir dos registros policiais e levam em consideração homicídios, lesões corporais seguidas de morte, latrocínios e mortes decorrentes de ações policiais. Em relação aos números nacionais, o documento destaca que 57.341 mortes violentas intencionais ocorreram no Brasil em 2018, resultando em uma taxa de 27,5 a cada 100 mil habitantes e redução de 10,4%. O roubo ou furto de carros também diminuiu: foram 490.956 casos, representando queda de 14,2%.

Os feminicídios, por outro lado, aumentaram: foram 1.206 vítimas, totalizando um aumento de 4%. A violência sexual seguiu o mesmo caminho: 66.041 casos, o maior número já registrado, com um aumento de 4,1% em relação a 2017. Outro aumento foi relacionado ao porte e à posse ilegal de arma de fogo: 7,5%. Por fim, também cresceram as mortes decorrentes de intervenções policiais: 19,6%. 11 a cada cem mortes violentas intencionais foram provocadas por policiais, resultando em 17 vítimas diárias.

Por aqui

Os números locais, oficialmente, são mais positivos. Pelotas viu cessar, ainda que momentaneamente, uma era sangrenta que fez a cidade amenizar em 2018 o registro de cem homicídios anuais, que a acompanhava desde 2016. No ano passado, foram 76 casos, número 30% menor que os 106 de 2017. Juntos, homicídios, feminicídios, latrocínios e infanticídios tiveram queda de 42%. Outras diminuições importantes foram a de roubos e furtos de veículos, 59%; de pedestres, 28,4%; ao transporte público, 17%, e de estupros, 6%.

Nos índices que sofreram aumento, o número de feminicídios consumados chama a atenção. Enquanto que em 2017 apenas um caso foi registrado, em 2018 foram sete – em 2019 Pelotas tem também um registro. As tentativas de assassinato de mulheres também cresceu, de seis para nove ocorrências.

A comparação nacional x local:

Mortes violentas intencionais
Brasil: -10,4%
Pelotas: -24,5%

Estupros
Brasil: +4,1%
Pelotas: -5,6%

Roubos de veículos
Brasil: -14,2%
Pelotas: -29

Roubo a residência
Brasil: -15,9%
Pelotas: -36%

 

Publicado originalmente no Diário Popular.

 


 

Últimas notícias:

Comunitas e Governo de SP iniciam pagamento de benefícios para alunos em extrema pobreza

A verba extra para os estudantes mais carentes será garantida por meio de uma iniciativa da...

“Haverá recursos também para a prevenção da população?”, questiona Regina Esteves em matéria do Jornal O Globo

Em meio à pandemia provocada pelo novo coronavírus, Estados já negociam empréstimo...

Reunião entre Comunitas e Governo do RS debate cenário econômico e medidas de enfrentamento ao coronavírus

A Comunitas e o Governo do Estado do Rio Grande do Sul realizaram, no último dia 27, mais uma...

Renda básica lança luz sobre o desafio ético do nosso tempo

por Fernando Schüler* Eliminação da miséria é fronteira civilizatória, assim como foi, no...

Comunitas modela projeto de apoio emergencial a famílias em situação de vulnerabilidade

Com a experiência adquirida ao longo de 20 anos à frente da Comunitas, Regina Esteves,...