Logo Comunitas

Em crise, prefeituras cortam gastos com carnaval em 2017

30/01/2017

Com arrecadação reduzida, prefeituras brasileiras cancelam ou cortam gastos de investimentos na festividade. Momento é de cooperação entre gestão pública, sociedade e setor privado.

Para enfrentar a crise econômica que assola o país, as prefeituras estão cancelando ou reduzindo gastos com a folia carnavalesca, buscando manter a austeridade fiscal e equilíbrio das contas públicas. Algumas das alternativas dos municípios para preservar a festa, é a busca por patrocinadores para financiar os custos, mantendo a alegria dos foliões, sem inchar o orçamento público.

Situação em cidades da rede Juntos

Em Curitiba, a prefeitura anunciou o corte de metade dos repasses para a realização do carnaval. A decisão afeta o sistema de disputa do carnaval da cidade: não haverá concurso de escola de samba campeã, vice, nem definição de grupo de especial e de acesso. Também não haverá investimento público para a realização do tradicional pré-carnaval e do Curitiba Rock Carnival.

Já em Campinas, o corte será por completo. Com investimento base de no mínimo de R$ 1 milhão, que engloba infraestrutura e repasse para escolas de samba, a prefeitura da cidade informou que não terá condições de patrocinar a festa. Alguns blocos tradicionais da cidade desfilarão custeados por patrocínios privados e venda de blocos.

A Prefeitura de Teresina anunciou o cancelamento do repasse para as escolas de samba, e irá priorizar o carnaval de rua da cidade, como forma de facilitar o acesso da população à folia.

Cooperação

A justificativa das prefeituras para o corte de gastos é a crise econômica brasileira. O objetivo é que os valores economizados sejam redirecionados para áreas consideradas prioritárias, como saúde, educação e moradia. Porém, para manter a festa para a população, algumas administrações estão buscando o patrocínio de iniciativas privadas.

Em Salvador, por exemplo, a ordem é o corte de 10% nos gastos do carnaval, considerado um dos maiores do mundo. Em 2017, os custos da festa serão de R$ 50 milhões de reais, mesmo valor do ano passado. Contudo, a prefeitura deve arcar com menos da metade dos recursos – somente a parte inerente aos serviços públicos. O restante do investimento será por meio de patrocínio da iniciativa privada.

 

*Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Últimas notícias:

Com parceria da Comunitas, GIFE lança infográfico com panorama do Investimento Social brasileiro

O infográfico integra uma iniciativa do GIFE que tem o objetivo de reportar à sociedade...

Comunitas e Prefeitura de Santos realizam reunião entre líderes da Governança

A Comunitas e a Prefeitura de Santos (SP) realizaram, hoje (17), mais uma reunião entre os...

É preciso se reinventar: o que mudou na Comunitas durante a crise da Covid-19?

por Dayane Reis* Nada. E bastante coisa. Na verdade, a gente continua criando estratégias e...

Governo Federal e Secretários Estaduais debatem os desafios dos Estados durante encontro da Comunitas

Esse foi o último de uma série de três encontros com objetivo de fortalecer uma agenda nacional...

Criados com apoio da Comunitas, protocolos do RS servem de modelo para Niterói e Paraty

O projeto de distanciamento controlado desenvolvido no Estado do Rio Grande do Sul, com apoio da...