Logo Comunitas

Criados com apoio da Comunitas, protocolos do RS servem de modelo para Niterói e Paraty

11/06/2020

O projeto de distanciamento controlado desenvolvido no Estado do Rio Grande do Sul, com apoio da Comunitas, serviu de modelo para as cidades de Niterói e Paraty, ambas no Rio de Janeiro. A iniciativa permitiu a reabertura econômica local por meio de segmentação regional. A abertura foi determinada levando em consideração uma relação entre o número de casos confirmados e a capacidade do sistema de saúde de atender pacientes graves.

Leia também: Resumo | Secretários estaduais de Fazenda defendem pacto nacional por Reformas, durante encontro da Comunitas

Paraty contou com o apoio da Comunitas desde a fase inicial do projeto, por meio da mentoria do especialista em saúde pública, Januario Montone, para a construção de protocolos de reabertura econômica e para a melhoria da gestão da pandemia. O projeto teve como foco o processo de reconstrução social e econômica no período pós pandemia, além de auxiliar o município durante a fase mais aguda da epidemia do Covid-19.

Leia também: Conferência reúne 5 governadores para discutir os desafios socioeconômicos durante Covid-19

Já em Niterói o trabalho foi de inspiração. Durante videoconferência, foram apresentados para o corpo técnico da cidade os princípios gerais da metodologia dotada no Rio Grande do Sul. A inspiração resultou no Plano de Transição Gradual para o Novo Normal, projeto de distanciamento responsável para prevenção e enfrentamento à pandemia construído pela Prefeitura de Niterói.

Distanciamento controlado no Rio Grande do Sul

O projeto foi desenvolvido com apoio da Comunitas no estado gaúcho, e utiliza um sistema de bandeiras de diferentes cores para identificar os estágios da pandemia em cada região do estado.

O modelo tem como objetivo evitar que os hospitais tenham sobrecarga de atendimento, com cada região tendo o status atual de risco monitorado de forma permanente. De acordo com estudos realizados no estado, as regiões experimentam diferentes velocidades de transmissão e contam com capacidade de resposta diferenciada. O nível de distanciamento deve ser controlado pela capacidade de resposta da saúde e pelo comportamento da pandemia no território.

Leia também: Entidades classificam como positivo modelo de distanciamento controlado sugerido por Leite

Para desenvolvimento do modelo, foram considerados cinco pilares estratégicos: saúde como foco; diálogo e transparência; monitoramento intensivo, com dados e projeções; segmentação regional e setorial; e a criação de protocolos para a população, atividades e setores.

 

 

Últimas notícias:

Governo do RS conquista Prêmio Excelência em Competitividade com reformas estruturantes apoiadas pela Comunitas

Amplo conjunto de mudanças na carreira do funcionalismo venceu na categoria Boas...

Comunitas e Instituto Butantan realizam primeira assinatura para iniciar construção da fábrica da CoronaVac

A Comunitas e o Instituto Butantan assinaram, hoje (17), um acordo de confidencialidade (NDA) com o...

Reunião apresenta resultados finais de trabalho realizado em cidades do Tocantins

Iniciado em 2019, projeto buscou caminhos de melhorias na gestão pública, mais especificamente no...

Trabalho em rede possibilita avanço da educação em Petrolina e Caruaru

Projeto liderado pela Comunitas dissemina as boas práticas educacionais de Teresina para Petrolina...

Liderada pela Comunitas, Jornada para Futuros Prefeitos chega na reta final | Saiba como está sendo

Após um mês de aprendizagem, a Jornada para Futuros Prefeitos está chegando ao fim. Lançada em...