Logo Comunitas

Construída com apoio da Comunitas, reforma administrativa pode gerar economia de R$ 420 milhões em Goiás

06/06/2019

Assim como a primeira etapa, a segunda fase da Reforma também teve apoio da Comunitas, e propõe uma redução de 20% dos custos atuais da máquina pública. 

A segunda etapa da Reforma Administrativa do Governo de Goiás propõe reorganizar todos os setores ligados ao governador, direta e indiretamente, com o intuito de racionalizar o uso do patrimônio governamental e a mão de obra dos servidores. O projeto, aprovado na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás no último dia 22, argumenta que precisa eliminar processos ociosos na cadeia produtiva para dar leveza e agilidade aos serviços entregues ao cidadão.

Leia também: Aprovada reforma administrativa de MG que economizará quase R$ 1 bilhão aos cofres públicos

A diminuição de despesas a ser conseguida pela reforma não decorre apenas de modificações de estrutura, pois o projeto também atua em outra frente: reorganizar os cargos comissionados de assessoramento não lotados nas unidades de estrutura básica e complementar.

A reorganização e aglutinação das tipologias dos cargos, cortes nos quantitativos, criação e padronização de símbolos de salários pretendem simplificar a gestão de recursos humanos e dar mais eficiência à alocação desses cargos.

A economia prevista para os cofres públicos estaduais chega a aproximadamente R$ 120 milhões por ano, o que significa aproximadamente R$ 420 milhões nos três anos e meio de governo restante. Isso equivale a 20% dos custos que a manutenção da máquina pública gerava até a primeira reforma. Ao todo serão 4.406 cargos comissionados extintos em todos os setores do governo.

Leia também: Bate-Bola | Diretor do Programa Juntos explica a importância do planejamento para os Estados

O projeto estabeleceu duas formas de organização administrativa no governo: centralizada, subordinada diretamente à figura do governador; e descentralizada, órgãos subordinados aos secretários. E nessas mudanças, o governador também criou novos cargos comissionados de chefia, direção e assessoramento para chegar a estrutura proposta no projeto.

“Não se trata de cortar e enxugar simplesmente porque é preciso reduzir gastos; na verdade, o que se pretende é tornar a máquina pública mais eficiente e ajustada para o atendimento ao cidadão, sendo por isso imprescindível racionalizar a sua organização, eliminando elementos e processos ociosos, excessivos, sobrepostos, repetidos. Como resultado, o que se espera é um aparato estatal mais leve, ágil e habilitado a entregar os serviços de que o cidadão necessita”, argumentou o governador Ronaldo Caiado no texto entregue à Assembleia Legislativa.

Primeira etapa em vigor

A primeira fase da Reforma Administrativa foi publicada em fevereiro, e uma série de mudanças, principalmente no que tange às secretarias de Estado, foi anunciada.

Leia também: Entra em vigor reforma administrativa proposta pelo Governo de Goiás com apoio da Comunitas

Com a ação, foram divididas, renomeadas e recriadas secretarias que, até então, estavam extintas. De acordo com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, a Reforma Administrativa tem como premissa a adequação dos repasses, pagamentos e investimentos para que se tenha um governo compatível com aquilo que está sendo visto hoje como sendo o quadro fiscal do Estado. “Não é possível fazer a gestão de um estado no qual se tem 83% da receita comprometida com o pagamento da folha”, disse.

 

 

Sobre a Comunitas

A Comunitas é uma organização da sociedade civil brasileira que tem como objetivo contribuir para o aprimoramento dos investimentos sociais corporativos e estimular a participação da iniciativa privada no desenvolvimento social e econômico do país. Por meio do envolvimento de diversos atores, estimula e fomenta ações conjuntas com o propósito de promover o desenvolvimento sustentável por meio da parceria de líderes empresariais, engajados nas várias frentes de atuação da Comunitas.

Entre as frentes, está o Programa Juntos, uma coalização de líderes empresariais que tem o objetivo de promover melhorias na gestão pública e, assim, na vida da população. O Juntos atua com propósitos de longo prazo e numa perspectiva de projeto de Estado.

Leia também: Governar em conjunto é possível, por Eduardo Leite

O Programa Juntos tem alcance nacional e, hoje, apoia gestões municipais como as cidades de São Paulo, Porto Alegre e Salvador. Em nível estadual, está presente no estado do Pará, onde o trabalho de apoio à gestão pública impactou 65 cidades, e, mais recentemente, nos estados de Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo.

 

 

Com informações do Jornal Opção.

Últimas notícias:

Pelotas acompanhará jovens em vulnerabilidade por meio de sistema apoiado pela Comunitas

Projeto integra iniciativas do Pacto Pelotas pela Paz A Prefeitura de Pelotas (RS) está...

Porto Alegre recebe nota A do Tesouro Nacional por capacidade de pagamento

Medidas de equilíbrio fiscal apoiadas pelo Programa Juntos no município tiveram impacto na...

Comunitas divulga Relatório Anual 2020

A Comunitas divulgou na última semana o Relatório Anual de 2020, período marcado por grandes...

BISC realiza primeiro Grupo de Debates do ano

Momento serve para compartilhar experiências, debater caminhos do investimento social corporativo...

Projeto pretende transformar Dique na Zona Noroeste de Santos com habitações sustentáveis

A cidade de Santos realiza estudo para transformar o Dique da Vila Gilda, localizado na Zona...