relatorio-anual-da-comunitas-traz-resultados-de-2018

Relatório Anual da Comunitas traz resultados de 2018

O ano de 2018 foi empolgante para a Comunitas, em suas diversas frentes.

No Programa Juntos, além da continuação de importantes projetos nas 13 cidades parceiras, mais cinco estados passaram a integrar a rede, todos buscando efetivas melhorias para suas gestões.

Leia também: Bate-Bola | Diretor do Programa Juntos explica a importância do planejamento para os Estados

O Benchmarking do Investimento Social Corporativo (BISC) 2018 apresentou o novo panorama dos investimentos sociais corporativos brasileiros e se consolidou, ainda mais, como referência para a gestão social das empresas.

Já o Encontro de Líderes continuou reunindo importantes lideranças públicas e privadas em um fórum exclusivo, para que, juntas, debatam e encontrem caminhos para o futuro do País.

Os destaques, avanços e as conquistas da Comunitas estão disponíveis no relatório 2018 – e os resultados demonstram o compromisso da entidade com uma atuação ética e transparente.

Confira alguns destaques:

Reforma administrativa em MG, RS e GO

Em Minas Gerais, o trabalho da Comunitas consistiu em acompanhar a equipe de servidores estaduais indicados para atuar na restruturação da administração do Governo Estadual. A proposta de reorganização sugerida pelo grupo está considerando uma redução de mais de 40% do número de secretarias da administração direta, caso seja aprovada. Desenvolvida com o apoio da especialista em gestão pública e ex-secretária estadual mineira, Renata Vilhena, a reestruturação permitirá melhor foco na execução da política pública.

Leia também: Aprovada reforma administrativa de MG que economizará quase R$ 1 bilhão aos cofres públicos

Aprovada em maio de 2019, as novas regras, que incluem a redução de 21 para 12 secretarias e o corte de cargos comissionados no Executivo, deverão gerar uma economia de R$ 900 milhões em quatro anos de governo, sendo R$ 120 milhões com a folha de pagamento.

No Rio Grande do Sul, Comunitas atuou junto ao Governo Estadual no apoio e assessoramento técnico especializado no processo de transição governamental. Coordenado por Adriane Ricieri Brito, especialista em gestão de estratégia, o trabalho deu origem ao projeto de Lei da Reforma Administrativa.

A readequação da estrutura de órgãos da administração define que a gestão será composta por 21 secretarias, além da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e da Casa Militar. Ao total, serão 22 secretários.

Já em Goiás, a primeira fase da Reforma Administrativa proposta pelo Governo de Goiás com apoio da Comunitas foi oficializada em janeiro de 2019.

Com a ação, foram divididas, renomeadas e recriadas secretarias que, até então, estavam extintas. De acordo com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, a Reforma Administrativa tem como premissa a adequação dos repasses, pagamentos e investimentos para que se tenha um governo compatível com aquilo que está sendo visto hoje como sendo o quadro fiscal do Estado. “Não é possível fazer a gestão de um estado no qual se tem 83% da receita comprometida com o pagamento da folha”, disse.

Leia também: Entra em vigor reforma administrativa proposta pelo Governo de Goiás com apoio da Comunitas

O intuito da reforma é promover uma gestão eminentemente técnica, com especialistas em cada uma das secretarias e agências, acompanhando e cobrando, de perto, as metas pré-estabelecidas. Os cortes deverão gerar uma economia anual de R$ 1,2 milhão aos cofres públicos.

Equilíbrio fiscal em Caruaru

No agreste pernambucano, Caruaru passou por um choque de gestão que buscou o balanceamento das contas públicas da Prefeitura Municipal, chefiada por Raquel Lyra. A ação foi necessária pelo desequilíbrio analisado – por meio de estudos prévios, nas contas da administração municipal e para, também, ampliar sua capacidade de investimento. Para a execução do projeto na Prefeitura de Caruaru, a Comunitas contratou a Mais Resultados como parceira técnica.

A meta de aproximadamente R$ 10,6 milhões para a redução de despesas foi superada, e alcançou R$ 13,3 milhões. No campo das receitas, o valor atingiu R$ 8,8 milhões, frente a meta de R$ 3,01 milhões. O resultado acumulou saldo positivo de R$ R$ 8,4 milhões.

O trabalho alcançou, até setembro de 2018, um Retorno Sobre Investimento (ROI) de R$ 46,90 – um resultado acima do esperado. Além disso, foi identificada a oportunidade de R$ 19,27 milhões em economia, por meio das informações que a administração envia para o Tesouro Nacional.

Com os resultados da iniciativa, Caruaru recebeu duas premiações. Na categoria para municípios acima de 150 mil habitantes, as premiações foram para “A Melhor Relação entre Receita Corrente Líquida x Investimentos”, além do “2º Lugar Geral em Pernambuco na Média Ponderada da Qualidade dos Gastos Públicos”.

Leia também: Equilíbrio das contas da Prefeitura de Caruaru

O trabalho atualmente segue sob responsabilidade da Prefeitura de Caruaru com apoio do Programa Juntos.

Segurança pública em Pelotas

Segurança é uma das principais preocupações dos governos e cidadãos brasileiros atualmente, e não é por acaso: em 2017, o país bateu novo recorde e teve o maior número de assassinatos, com mais de 60 mil mortes violentas.

Para vencer o desafio, algumas cidades brasileiras contaram com apoio da Comunitas em 2018: Pelotas, no Rio Grande do Sul, e Paraty, no Rio de Janeiro.

Pelotas foi a percussora do trabalho, com o Pacto Pelotas pela Paz, em 2017, que mobiliza a sociedade a participar ativamente da luta contra a violência na cidade.

O Pacto Pelotas pela Paz é um conjunto de estratégias desenvolvidas para redução da criminalidade a partir de ações movidas por toda a sociedade no município. Ao longo dos últimos anos, a cidade de Pelotas teve um aumento acelerado e constante do número de homicídios, que chegou em 488% entre 2001 e 2015, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul (SSP/RS).

São 16 meses desde o início do Pacto Pelotas pela Paz, e as ações implementadas têm dado resultados. Dentre eles, a ‘Operação Integrada’, que tem por objetivo elevar a sensação de segurança da população e realizou, até 2018, o fechamento ou autuação de mais de 160 estabelecimentos e 120 prisões. Cerca de 16 mil pessoas foram abordadas e 8,6 mil veículos vistoriados em aproximadamente 510 edições.

Já o ‘Pedestre Seguro’ busca reduzir o número de roubos e furtos aos cidadãos, por meio da identificação de horários, dias e locais em que acontecem, a fim de tornar a ronda das forças policiais mais efetivas. Em novembro, Pelotas teve o menor índice de ocorrências desde janeiro de 2016, com 163 roubos registrados.

Leia também: Rio Grande do Sul registra queda nos assassinatos; Pelotas é destaque

Um dos dados mais importantes de 2018 foi registrado em setembro, quando somente um homicídio e um latrocínio foram contabilizados no município, resultado que reflete o trabalho conjunto das forças policiais do Gabinete de Gestão Integrada (GGI) nas ações do Pacto Pelotas pela Paz. Esse foi o menor número de ocorrências relativas a Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) em um mês desde novembro de 2014.

 

 

Clique aqui e faça o download do relatório Comunitas 2018.

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email