paraty-agora-e-patrimonio-mundial-da-humanidade

Paraty agora é patrimônio mundial da humanidade

A cidade de Paraty é parceira do Programa Juntos desde 2013.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) concedeu hoje (5) o título de patrimônio mundial da humanidade à Paraty e Ilha Bela, ambas no Rio de Janeiro. O sítio inclui o centro histórico de Paraty e a Ilha Grande.

Esse é o primeiro sítio de patrimônio misto do Brasil, ou seja, que inclui bens culturais e naturais. Dos mais de mil patrimônios mundiais, apenas 39 locais, em 31 países, são sítios mistos.

Paraty e Ilha Grande se juntam a outros 21 patrimônios mundiais da humanidade brasileiros, dos quais sete são naturais e 14 são culturais.

Parceria com o Programa Juntos

Liderado pela Comunitas, o Programa Juntos é formado por uma coalizão de atores com o objetivo de buscar caminhos para a melhoria da gestão pública do País.

O Juntos apoia governos, seja municipal ou estadual, tendo como principal objetivo a construção de projetos de Estado, não de governo. A intenção é que, junto com a sociedade, sejam planejados e implementados projetos de longo prazo, com resultados fortes e sustentáveis.

Paraty foi a segunda cidade a integrar a rede do Juntos, em 2013. Desde então, diferentes trabalhos foram desenvolvidos em contexto local com apoio do Juntos e o acompanhamento da Governança do programa, que atua em sinergia com a administração municipal na formulação, na implementação, no monitoramento e na avaliação de soluções inovadoras e eficientes para alguns dos principais desafios impostos à gestão pública municipal.

Confira algumas ações realizadas pelo Programa Juntos em parceria com a Prefeitura de Paraty:

Melhoria da merenda escolar

O projeto foi concebido após uma pesquisa de campo realizada pela chef de cozinha, Ana Bueno, em 2014. A pesquisa identificou que a alimentação dos alunos estava em um nível abaixo do que é considerado um cardápio saudável e nutritivo, pois tinha pouca variedade de alimentos, sendo os mais consumidos ao longo da semana frango, arroz e feijão. Também foi identificada a precariedade dos equipamentos nas cozinhas das escolas municipais.

Os alimentos para composição da alimentação da rede municipal eram comprados fora de Paraty, sem valorização dos produtores locais. Paradoxalmente, a cidade conta com uma rica produção local de pescados e alimentos orgânicos, além de uma expressiva rede de chefs de cozinha que atuam no turismo gastronômico.

Por esse motivo, foi criada a Escola de Comer, que reúne padrinhos voluntários que contribuem com a sugestão de um cardápio nutritivo para as escolas municipais e também com uma proposta de logística e melhoria das estruturas físicas das escolas, tudo com recursos da própria prefeitura. Além disso, a iniciativa valoriza a agricultura familiar regional, pois parte dos ingredientes usados são fornecidos por produtores locais – hoje, mais de 100 participam e produzem, o que alavancou a economia da cidade.

O salto na qualidade da merenda escolar, com alimentação balanceada e a incorporação de produtos locais orgânicos, provenientes da agricultura familiar e da pesca artesanal, já interfere positivamente no aprendizado dos alunos, gerando um impacto pedagógico positivo, segundo professores e parceiros. Foram mais de 6 mil alunos envolvidos no debate sobre a merenda e a importância da alimentação saudável. São32 padrinhos engajados no trabalho de acompanhamento da merenda escolar e 33 cozinhas e cantinas das escolas da rede municipal de educação foram reequipadas após orientações dos chefs.

Além disso, foi lançada uma cartilha e vídeo da Escola de Comer de replicabilidade concluídos e divulgados no encontro da rede de cidades criativas da Unesco, despertando o interesse de 5 cidades.

Leia também: Escola de Comer ensinará alimentação saudável para crianças por meio de jogo

Fortalecimento da Cultura

Além disso, após 45 anos, Paraty voltou a ter um cinema na cidade, também com apoio do Juntos. O espaço devolve aos paratienses seu cinema, inteiramente restaurado e reformado, com equipamento de cinema digital de alta qualidade. Em um ano de funcionamento, foram 670 sessões, de 230 títulos, com 27 mil espectadores, além da realização de cursos de Cinema e Audiovisual, de Projetos Culturais, e de Mini Docs.

Também houve apoio no restauro da Casa de Música de Paraty, por meio da revitalização do imóvel, bem como a adaptação do espaço para o ensino de música, entre outras atividades possíveis.

Desenvolvimento do Cinema e Audiovisual

Dentro do estado, a cidade de Paraty tem notoriedade, ao fazer de suas ruas e casarões cenários para filmes e novelas. Porém, apesar de iniciar um processo de investimento na área de cinema e audiovisual, em 2018, a cidade ainda não dispõe de um amplo programa de desenvolvimento que aponte para ações robustas e estruturantes, que permita uma efetiva ativação de todos os elos da cadeia produtiva do setor.

Para superar esse desafio, será construído o Programa de Desenvolvimento e Fomento do Cinema e Audiovisual. Em formato de documento, a iniciativa englobará diretrizes e apontará ações a serem executadas pela gestão local (em parceria com redes institucionais e empresariais), para ativar, fomentar e desenvolver o setor audiovisual na cidade.

Ainda em fase de desenvolvimento, o material será elaborado a partir do mapeamento da cena audiovisual local e de processo de escuta com dirigentes do órgão gestor municipal, e contemplará pontos como: histórico, diagnóstico, ações de formação, fomento e articulação institucional, estrutura de funcionamento, cronograma e previsão orçamentária.

Agenda Municipal de Juventude

Entre as ações realizadas pela Agenda Municipal de Juventude, estava a criação da Coordenadora de Juventude, para a liderar a formulação de ações para que os jovens assumam o protagonismo na definição de políticas públicas para a juventude em Paraty.

A Coordenadoria conta com quatro programas de engajamento dos jovens em andamento (Território Juventude, Juventude Sem Caô (em parceria com a Guarda Municipal), Caravana da Juventude e #JuventudeAtiva (divulgação do trabalho de instituições que atuam com os jovens de Paraty).

Ainda para a juventude, foi construído o projeto arquitetônico do Centro de Formação e Economia Criativa (Cefec), entregue à Prefeitura para a abertura de processo licitatório. O planejamento de gestão e conteúdo do centro em andamento em parceria da Secretaria de Cultura com a Coordenadoria de Juventude

Plano Municipal da Mata Atlântica

Para proteger a Mata Atlântica remanescente no Brasil (8,5% em 2013, segundo relatório da Fundação SOS Mata Atlântica, organização não-governamental dedicada a ações de preservação ambiental) foi publicada uma lei federal (nº 11.428/2006) que estabelece a necessidade da elaboração de planos municipais para redução do desmatamento. Conhecida como Lei da Mata Atlântica, ela estabelece que os municípios devem assumir sua parte na proteção do bioma utilizando-se dos instrumentos de planejamento. O Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica (PMMA), que reúne e normatiza os elementos necessários à proteção, conservação, recuperação e uso sustentável da área, é um dos instrumentos mais importantes para que a cidade possa suplantar os desafios de preservação.

Foi definido o escopo de atuação da SOS Mata Atlântica junto à Prefeitura de Paraty. Além do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica, a cooperação prevê a criação do instruamento de gestão denominado Sistema Municipal de Unidades de Conservação (SMUC), planejamento e fortalecimento do SMA, educação ambiental, recuperação de áreas degradadas e plano de arborização.

 

 

 

Com informações da Agência Brasil.

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email