formas-de-equilibrar-as-contas-de-um-governo-com-o-uso-da-tecnologia

Formas de equilibrar as contas de um governo | Com o uso da tecnologia

Esse conteúdo é o quarto de cinco postagens que abordarão formas de tornar as contas públicas governamentais mais saudáveis.

Nas postagens anteriores foi reverberada a ideia de que para um governo superar os desafios de equilibrar as contas, é fundamental um bom plano de ação, com objetivos e metas eficientes, e o envolvimento constante das pessoas para o desenvolvimento de uma rotina de acompanhamento das receitas e despesas.

Leia também: Desafios de Tecnologia da Informação e Comunicação para os Governos

Mas existe outro ponto essencial para chegar à um orçamento público equilibrado: a tecnologia. É a partir dela que são construídas as bases de dados para construção e restruturação de processos, histórico e avaliação de resultado.

A tecnologia pode ser utilizada para otimizar processos governamentais em diversas situações, como: sistemas para georreferenciamento e base cartográfica digital para revisão do cadastro físico do município, controle digital de horas extras para identificar de tentativas de fraudes, e o engajamento dos servidores com a comunicação e publicação de informações no portal eletrônico.

Leia também: Bate-Bola | Diretora de Conhecimento e Inovação da Comunitas aborda inovação em governos

Como cada governo possui uma infraestrutura de tecnologia distinta, este ponto ganha ainda mais relevância. Em administrações públicas com empresas ou departamentos de tecnologia gerindo a infraestrutura, existem condições de desenvolver ou adquirir softwares para o acompanhamento das ações para equilíbrio fiscal. Para governos com infraestruturas simples, planilhas bem estruturadas podem realizar os acompanhamentos com eficiência e qualidade.

Em Itirapina (SP), por exemplo, com apoio do Programa Juntos – iniciativa liderada pela Comunitas com foco na melhoria da gestão pública, foram desenvolvidas planilhas eletrônicas com fórmulas e cálculos automatizados. Isso permitiu que o município elevasse a eficiência do acompanhamento de despesas e receitas.

Leia também: 5 dicas para tornar sua cidade mais inteligente

Em ambos os casos, seja com software ou planilha, as ferramentas precisam ser intuitivas e funcionais, independentemente da complexidade ou não. Caso isso não seja feito, as dificuldades na utilização, inseguranças e até resistência às ferramentas poderão ocorrer, comprometendo a implementação e o sucesso do trabalho.

Por falar na equipe, treinamentos e suporte técnico são fundamentais para uma mudança de cultura e eventuais inseguranças que possam surgir com uma nova ferramenta tecnológica. É imprescindível que os responsáveis tenham conhecimento de todas as funcionalidades, pois o efetivo acompanhamento de eventuais desvios pode ser impactado de forma negativa.

Leia também: Bate-Bola | Gabriel Trevisan fala sobre a melhoria dos processos de licenciamento urbano em Campinas

“O uso da tecnologia permite o poder público aumentar o controle sobre a prestação do serviço público. É possível saber, por exemplo, quais e quantos medicamentos estão sendo distribuídos pela rede de saúde, assim como é possível identificar o desempenho dos alunos na rede de educação. Isto, no fim do dia, significa diminuição dos desperdícios dos recursos públicos e consequentemente maior capacidade de investimento em áreas que necessitam de atenção”, explica Leandro Telles*, especialista em Tecnologia da Informação e Comunicação.

*Leandro foi um dos especialistas parceiros que colaboraram com o conteúdo da cartilha “O Uso da Tecnologia na Gestão Pública”, produzida pela Comunitas.

 


 

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email