encontro-de-lideres-realizado-pela-comunitas-discute-novas-ideias-para-a-governanca-urbana

Encontro de Líderes, realizado pela Comunitas, discute novas ideias para a governança urbana

Participação ativa da sociedade civil, crescimento econômico e renovação do setor público nortearam a pauta da 12ª edição do evento

Estimular novos modelos de governança urbana, para que a gestão pública avance e fomente, de forma mais efetiva, o desenvolvimento econômico e social do Brasil. Essa é uma das ambições lançadas e discutidas durante a 12ª edição do Encontro de Líderes, realizado hoje (25) pela Comunitas, em São Paulo. O evento reuniu empresários, gestores públicos e especialistas durante uma manhã de debates, com o mesmo objetivo que guiou suas últimas edições: fortalecer, por meio da troca de experiências, análises e pontos de vista diversos, a transformação sustentável da gestão pública.

Foto: Marco Estrella

Entre os temas que nortearam a agenda, estiveram o estímulo à participação da sociedade civil na vida pública; a reforma do setor público, com vistas à formação de governos capazes de empreender; e as perspectivas para a trajetória de retomada do crescimento econômico.

“Ninguém faz nada sozinho”, disse Regina Esteves, diretora-presidente da Comunitas, ao abrir o evento. “A causa é pública e a agenda precisa ser de interesse público.” Regina contextualizou a atuação da Comunitas e do Programa Juntos, que reúne lideranças públicas e do setor privado para promover melhorias nas gestões municipais e estaduais, dentro de uma coalizão voltada a agendas de políticas públicas de Estado. O Juntos, hoje, está em 13 cidades, cinco estados e, por um modelo de rede, atua em 12 municípios do Tocantins. Representantes da maior parte dessas gestões estiveram presentes e deram suas contribuições aos debates.

Foto: Marco Estrella

Entre os líderes que formam essa coalizão, Luiz Ildefonso Simões Lopes, executive chairman da Brookfield, também participou da abertura do evento. “Não consigo imaginar um fator que reúna tantas lideranças diferentes, empresas, setor público, governadores e prefeitos para sentarem e debaterem juntos uma nova forma de governar, que não seja o compromisso”, disse Luiz Ildefonso, em nome da governança da Comunitas. “Compromisso com a sociedade, compromisso com o nosso futuro e, principalmente, com o futuro de milhares de brasileiros, que tanto necessitam.”

A ampliação do debate

Sociedade civil, crescimento econômico e renovação do setor público. Resumidamente, esses três tópicos direcionaram o 12º Encontro de Líderes. A primeira roda de debates reuniu dois exemplos de membros da sociedade civil que participam ativamente da busca por avanços nas políticas públicas no Brasil: Luciano Huck e Carlos Jereissati Filho, presidente da Iguatemi Empresa de Shopping Centers e membro da governança da Comunitas. A conversa foi moderada pelo jornalista Fábio Zambeli.

Foto: Marco Estrella

Huck destacou a importância da contribuição de todos para fortalecer e qualificar as discussões. “Acho que essa contribuição como cidadão, como sociedade civil, essa soma de forças que precisamos não apenas no Brasil, mas em vários lugares do mundo, para repensar como a democracia pode de fato melhorar a vida de todos e não só de alguns, é uma missão de todos nós”, disse.

Leia também: Luciano Huck e Carlos Jereissati Filho discutem a participação cívica no setor público

Jereissati Filho fez eco às palavras de Huck, ao comentar a importância do modelo de governança compartilhada que o Juntos propõe e a necessidade de, ao trabalhar pelo desenvolvimento do país, elevar o conceito de sociedade sobre o de indivíduo. “Hoje em dia, só cada vez mais trabalhando em conjunto seremos capazes de encontrar soluções que durem, possam ser replicadas e mudem a realidade e a conjuntura brasileira.”

Perseguir as reformas

A pauta econômica tomou a sequência do evento, quando foram convidados Ilan Goldfajn, presidente do conselho do Credit Suisse, e Henrique Meirelles, Secretário da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo, para uma conversa mediada pelo economista Felipe Salto. Participaram, com comentários e questões, os governadores Ronaldo Caiado (Goiás); (Pará) e Romeu Zema (Minas Gerais), além do prefeito Jonas Donizette (Campinas) e de Rubes Ometto, da Cosan.

Foto: Marco Estrella

Ilan e Meirelles foram enfáticos sobre a necessidade de o Brasil persistir com a realização das reformas estruturantes – e adicionaram, nesta receita, elementos essenciais para levar sustentabilidade à trajetória de crescimento econômico do país. “Temos de pensar num crescimento inclusivo. Um crescimento que, ao mesmo tempo, gere a expansão do Produto Interno Bruto mas também inclua cada vez mais gente”, disse Ilan.

Meirelles chamou a atenção para as necessidades de reformas que aumentem a produtividade e a importância de persistir na pauta de melhoria do ambiente de negócios. “A questão fundamental é a dificuldade de trabalhar no Brasil”, disse. “Um dos problemas básicos é a dificuldade tributária. Infraestrutura é importante, educação é fundamental. E um item a chamar a atenção é a complexidade tributária: federal, estadual e municipal.”

Inovar o setor público

O último tema da manhã, a reforma do setor público e a formação de governos empreendedores, contou com a participação de David E. Osborne, escritor e consultor americano, coautor de Reinventing Government, obra sobre experiências de transformação no setor público em toda a América. Osborne foi consultor sênior do vice-presidente americano Al Gore, em 1993. Hoje, dirige o projeto Progressive Policy Institute, ONG voltada a temas de política pública nos Estados Unidos.

Sua apresentação foi mediada pelo cientista político Fernando Schuller, e contou com a participação de , governador do Rio Grande do Sul; Poit, deputado federal por São Paulo; Raquel Lyra, prefeita de Caruaru; e Miguel Coelho, prefeito de Petrolina.

Foto: Marco Estrella

Osborne iniciou sua fala com dois exemplos opostos. De um lado, a Argentina, grande potência econômica do passado que se tornou um país de crises tradicionalmente problemáticas. De outro, Singapura, uma ilha repleta de línguas diferentes, que se tornou uma das economias mais vibrantes do mundo após 30 anos de investimentos maciços em educação e gestão pública. Desse pano de fundo e com base sem duas décadas de experiência, Osborne resumiu um percurso a ser seguido por países como o Brasil, no caminho para a transformação. Primeiro, ter um governo profissional e honesto, que preste bons serviços e esteja protegido contra a corrupção. “Depois, transformar a burocracia estatal em flexibilidade e tecnologia.”

InovaJuntos: lançamento do laboratório de apoio a inovação em rede

Durante o 12º Encontro de Líderes, foi lançado um novo programa da Comunitas, o InovaJuntos. Trata-se de um hub de inovação em gestão pública que, sediado em São Paulo, atenderá a prefeitos e governadores, com o objetivo de ajudá-los a solucionar questões locais e pontuais da gestão pública. O repertório do InovaJuntos, que já nasce em constante expansão, tem como base toda a experiência adquirida pela Comunitas. Mais de 290 territórios já replicaram as ações desenvolvidas, até hoje, pelo Juntos.

Leia também: Comunitas na Folha de SP | Investimento social vai além da doação e requer participação

“Com o InovaJuntos, a Comunitas apoiará o desenvolvimento e a implementação de políticas públicas inovadoras, a partir de capacitação, mentorias e compartilhamento de boas práticas”, disse Regina Esteves. Segundo ela, essa é a forma encontrada para que os resultados obtidos possam gerar ainda mais impacto e escala. “Vamos apoiar o desenvolvimento e implementação de políticas públicas inovadoras em outras cidades e estados além da nossa rede”.

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email