empresarios-analisam-experiencia-de-medellin-para-conter-violencia

Empresários analisam experiência de Medellín para conter violência

Foto: Arianne Thrall

Nos anos 1990, quando vivia sob o controle do cartel de narcotráfico de Pablo Escobar, a colombiana Medellín, capital da província de Antioquia, com 2,5 milhões de habitantes, era considerada a cidade mais violenta do mundo: registrava 381 assassinatos a cada 100 mil habitantes, em um cenário que misturava narcotráfico, guerrilha, repressão do Estado, corrupção e desigualdade social. Com medo da morte e dos milhares de sequestros, muitos empresários deixaram a cidade: manter a família em Miami (EUA) e negócios em Medellín tornou-se prática comum para as grandes empresas. “Muita gente saiu da Colômbia e nunca mais voltou”, conta o pesquisador colombiano Ricardo Vélez Rodríguez, doutor em Filosofia pela Universidade Gama Filho (Rio de Janeiro) e professor da Universidade Positivo. Ele mesmo deixou Medellín no fim dos anos 70, depois que 18 colegas da universidade em que lecionava foram assassinados, e hoje mora em Londrina, no Paraná.

A realidade atual de Medellín é bem diferente. Seis das dez companhias mais valiosas da Colômbia têm sua sede principal na cidade; são 37 empresas para cada mil habitantes e a meta é chegar a 50 em 2019, segundo a prefeitura. Além disso, Medellín reduziu em 90% a taxa de homicídios, para 21 mortes a cada 100 mil habitantes. “Sem o setor privado seria impossível que a cidade tivesse saído de seu pior momento”, afirmou o atual prefeito, Federico Gutiérrez, a uma plateia de empresários e políticos brasileiros na semana passada. “Os empresários decidiram continuar a ajudar a cidade apesar das dificuldades.”

Rodríguez, o pesquisador colombiano, conta que o caso de Medellín só foi bem-sucedido – e diferente do que ocorreu na maior parte da Colômbia – porque a cidadania local “comprou” a ideia do então prefeito Sergio Fajardo (2004-2007) de ocupar os espaços violentos do meio urbano, erradicando focos de narcotráfico por meio de ações coordenadas da polícia, comandadas pela prefeitura.

A liberação das áreas era seguida, num prazo de 120 dias, de uma série de obras sociais entregues pela à comunidade. “Sinalizava que o Estado veio para ficar e que não os abandonaria”, diz o pesquisador, que destaca que já houve tentativas semelhantes no Brasil, como as Unidade de Polícia Pacificadoras (UPPs) do Rio, mas que faltou a contrapartida do investimento social, que em Medellín foi bancado pelas empresas.

“Fajardo reunia os empresários locais e perguntava: ‘quanto vocês estão gastando para manter a família em Miami e gerir a empresa em Medellín, por medo? Não topariam me ajudar nessas obras que vão reduzir a violência?’ E assim conseguiu que eles financiassem 90% das obras sociais”, diz.

O modelo de gestão colaborativa de Medellín – pelo qual múltiplos atores, incluindo instituições públicas e privadas, se reúnem, criam, implementam e supervisionam as regras para soluções de longo prazo para os desafios da sociedade – pode servir de inspiração e ser replicado no Brasil, na visão defendida pela organização da sociedade civil Comunitas, durante o 10º Encontro de Líderes, organizado pela entidade.

O evento reuniu lideranças políticas como o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, além de empresários como o vice-presidente do grupo Globo, José Roberto Marinho, Jorge Gerdau, do grupo homônimo, José Ermírio de Moraes Neto, do Votorantim, e Pedro Jereissati, do Iguatemi.

O evento relatou experiências positivas de prefeitos selecionados pela entidade que firmaram parcerias com o setor privado no âmbito do programa Juntos, criado pela Comunitas em 2012. O programa aproxima líderes e acionistas de empresas brasileiras das prefeituras em ações que ajudem a melhorar a gestão pública – em especial, a financeira – om foco no aprimoramento dos serviços públicos. “A ideia não é apenas apoiar projetos isolados das prefeituras, mas criar uma agenda de desenvolvimento sustentável”, afirma Regina Esteves, presidente da Comunitas.

Em Paraty (RJ), por exemplo, a parceria resultou na queda de 49% nos casos de roubo a partir de uma agenda para redução da violência, segundo a Comunitas; em Porto Alegre, apoiou a criação de um sistema para selecionar técnicos para cargos estratégicos da administração municipal, com 10 mil currículos cadastrados e 530 profissionais contratados em 8 meses.

“A gente se reúne duas ou três vezes por ano com todos os secretários para saber como estão indo os avanços no trabalho, as dificuldades. Há também a participação muito importante do setor privado local”, diz José Ermírio de Moraes Neto, integrante do Juntos.

“Só abrindo as portas para o diálogo é que a participação efetiva da sociedade e das administrações públicas poderão se reinventar e responder aos anseios dos cidadãos”, afirmou José Roberto Marinho, vice-presidente do grupo Globo, que abriu o evento.

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PV) foi apresentado como exemplo de melhora da gestão fiscal municipal. Em 2016, Niterói foi a única cidade do Rio a alcançar a excelência na gestão de suas contas públicas, ficando em 6º lugar do ranking nacional na qualidade de sua situação fiscal no Índice Firjan, ante a 2.188ª posição que ocupava quatro anos antes.

Além de ajustar as contas e demitir cargos comissionados, sua gestão criou uma comissão de programação financeira e fiscal. “Toda despesa acima de R$ 100 mil é previamente analisada pela comissão”, diz o prefeito. A cidade planeja agora criar dois fundos para administrar recursos extraordinários que, prevê, virão dos royalties dos campos do pré-salque estão crescendo em produção e devem chegar a R$ 1 bilhão a partir de 2018. “Precisamos aprender com os erros do passado recente de cidades e do próprio Estado com o petróleo e aproveitar esses recursos para desenvolver a economia local e ampliar as receitas próprias”, diz.

LEIA MAIS: Completando 10 anos, Encontro de Líderes reúne ex-presidente, prefeitos e empresários em SP

Dez por cento dos recursos irão para um fundo de estabilização fiscal que será mantido por 25 anos, espécie de “colchão” contra períodos de arrecadação baixa. Outros 20% irão para um segundo fundo, destinado ao desenvolvimento da economia criativa, inovação e desenvolvimento local. A lei será encaminhada à Câmara Municipal no início do ano, prevê o prefeito. (Colaborou Cristiane Agostine, de São Paulo)

 

 

Fonte: jornal Valor Econômico

 

Deixe um comentário