em-araguaina-saneamento-basico-entra-na-mira-da-parceria-entre-o-juntos-e-a-prefeitura

Em Araguaína, saneamento básico entra na mira da parceria entre o Juntos e a prefeitura

Em reunião realizada na última quinta-feira (10), foi dado o próximo passo da parceria entre o Programa Juntos e a Prefeitura de Araguaína (TO). Após início das atividades que buscam o equilíbrio das contas públicas, agora o foco será no saneamento básico, mais especificamente na revisão e adequação do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB), com ênfase na integração entre os planos setoriais de Água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos.

Leia também: Como investir em saneamento pode gerar ganho de R$ 1 trilhão ao Brasil em 20 anos

A iniciativa é necessária devido à expansão populacional enfrentada pela cidade, que, consequentemente, ampliou a demanda por saneamento básico não apenas nas áreas residenciais, mas nas ruas e avenidas comerciais da cidade. Além disso, nos termos da legislação vigente, os planos setoriais de saneamento devem ser revisados pelo menos a cada quatro anos, porém o Plano Municipal de Água e Esgoto de Araguaína foi aprovado em 2013, já o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em 2014, por exemplo.

Leia também: Municípios do Tocantins passam a integrar a rede do Programa Juntos

O plano terá visão para os próximos 30 anos, levando em consideração as características da população, como perfil de consumo, e, também, estimativas de investimentos futuros.

O trabalho será desenvolvido por dois parceiros especializados contratados pela Comunitas, N Pimentel Engenharia e Terra Saneamento Ambiental, e será desenvolvido em três frentes: uma para os serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário; outra para os serviços de drenagem e manejo das águas pluviais urbanas e outra para a execução dos serviços de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos.

Leia também: Parcerias público-privadas despontam como estratégia para o desenvolvimento do Brasil

O prazo previsto para finalização do projeto é de seis meses, e entre os resultados esperados estão o diagnóstico, estudo de viabilidade técnica, econômica e financeira, e revisão de metas e ações dos Planos setoriais de água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos para atualização e inserção no Plano Municipal de Saneamento Básico, além de eventuais alterações propostas em Audiência Pública.

 


 

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email