curitiba-2035-finaliza-rodada-de-paineis-com-engajamento-da-populacao-e-de-diversos-setores

Curitiba 2035 finaliza rodada de painéis com engajamento da população e de diversos setores

img-20161110-wa0003

No dia 8 de dezembro, Curitiba (PR) concluiu a rodada de realização dos nove painéis temáticos da frente de Planejamento Estratégico – Curitiba 2035, realizada em parceria com os setores público e privado, universidades, organizações do terceiro setor e sociedade civil.

Essa rodada compõe uma parte do desenvolvimento do projeto, que faz o aprofundamento dos nove temas identificados como prioritários em agosto, por meio de outro painel, realizado com o mesmo público. São eles: Cidade da Educação e do Conhecimento; Desenvolvimento Socioeconômico, Mobilidade e Transporte; Saúde e Qualidade de Vida; Meio Ambiente e Biodiversidade; Planejamento e Gestão Urbana; Coexistência em uma Cidade Global; Segurança e Governança.

Durante os encontros foram realizadas concomitantemente consultas públicas por meio da ferramenta Colab, fazendo com que a população pudesse participar e acompanhar todas as definições. Os dados serão reunidos e entrarão em pauta novamente no início do próximo ano. A previsão é que até o fim de 2017 o documento com todo o planejamento fique pronto.

“O próximo passo é sistematizarmos todas essas informações para, em janeiro, lançarmos uma nova consulta pública para que os cidadãos escolham quais serão as cinco prioridades de cada um das nove áreas temáticas da Curitiba 2035”, explica a responsável pela condução do projeto, Marília de Souza,  coordenadora dos Observatórios do Sistema FIEP – uma das parceiras da Comunitas nesse processo.

Segundo ela, esse processo de cocriação é muito importante, porque gera o engajamento de diversos atores e ajuda a entender o que a sociedade está buscando. “Vamos cruzar todas as definições até chegarmos ao documento final”, ressalta.

As consultas públicas referentes aos painéis serão encerradas nesta semana e, de acordo com dados preliminares do Colab, 34% dos votantes acreditam que a promoção do ensino deve ser de forma mais horizontal e interdisciplinar; 45% acham que a cidade deve incentivar a indústria criativa e o empreendedorismo; 48% acreditam que saúde preventiva deve ser o foco e 56% têm a expectativa de que no futuro o meio ambiente e as áreas urbanas possam ser mais integradas.

“Essa é só uma prévia dos resultados, mas já podemos perceber que há uma mudança no direcionamento do pensamento da população. Para nós foi uma grande surpresa medicina preventiva ser uma prioridade, por exemplo”, avalia Marília.

Confira as metas definidas e os desafios apontados pelo grupo nos nove temas prioritários:

A frente, que foi introduzida em Curitiba no início deste ano, tem como objetivo construir diretrizes de longo prazo, com o engajamento da sociedade civil, que deverão nortear as políticas de desenvolvimento urbano sustentável nas próximas duas décadas. Também tem o intuito de criar um ambiente urbano atraente, capaz de desenvolver pessoas, empresas e investimentos focados em inovação, que possa servir de modelo para o Brasil e o mundo. Para saber mais sobre a Curitiba 2035, clique aqui.

 

A importância do planejamento estratégico

A construção de um plano de longo prazo no território será uma das linhas de frente da Comunitas em 2017, por meio do Programa Juntos. De acordo com a diretora-presidente da Comunitas “o grande desafio é basear esse trabalho no desejo do cidadão. A participação da gestão pública é importante, mas essa visão de futuro só é alcançada se a sociedade for protagonista. É preciso que sejam colocados todos os anseios da sociedade em relação ao futuro”.

O planejamento estratégico, além de envolver diversos atores que possam construir juntos as diretrizes para o fundo de suas cidades, permite que os esforços empreendidos ao longo dos anos possam se tornar perenes e sustentáveis, transformando a maneira de se fazer gestão pública no país, com foco em serviços públicos de qualidade, inovação e com a participação efetiva dos cidadãos.

Além disso, a frente fomenta a governança compartilhada e fortalece o controle social. “Precisamos, cada vez mais, olhar para a utilidade das cidades”, comentou o prefeito eleito de Curitiba, Rafael Greca durante o 9º Encontro de Líderes, ao discorrer sobre os objetivos de sua gestão a partir do próximo ano, que é focar numa cidade mais integrada, engajada e humana. Ele já aderiu ao planejamento estratégico que vem sem desenvolvido, como forma de dar sustentabilidade às ações em prol do município e dos cidadãos.

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email