como-as-cidades-brasileiras-podem-assumir-seu-papel-na-seguranca-publica-conheca-a-mais-nova-publicacao-da-comunitas

Como as cidades brasileiras podem assumir seu papel na segurança pública? Conheça a mais nova publicação da Comunitas!

O livreto apresenta a experiência de Pelotas no combate à violência por meio da implementação de políticas públicas que une toda a população, que contou com apoio do Programa Juntos.

O mais novo lançamento da Comunitas, a publicação “O papel dos municípios na segurança pública: o caso do Pacto Pelotas Pela Paz“, tem como objetivo ser um guia que apresenta a experiência de Pelotas no combate à violência por meio da implementação de políticas públicas que contam com a articulação e engajamento de todos os setores da sociedade, o Pacto Pelotas Pela Paz.

Com apoio do Programa Juntos, o Pacto Pelotas Pela Paz está mobilizando amplamente todos os atores da sociedade – população, órgãos públicos, entidades de classes, líderes religiosos, setor privado e academia, a assumir o seu papel na luta contra a violência na cidade. O trabalho ainda está em primeira fase, mas apresenta resultados significativos para a elaboração de um conteúdo como este livreto.

“Se conseguirmos desenvolver todas as estratégias que estão sendo elaboradas, tenho certeza que a gente vai dar um passo importante, mudar de patamar civilizatório, e isso é uma conquista enorme para uma população porque na verdade tem reflexo em todas as outras áreas. Quem sabe a gente possa criar um exemplo de política pública que pode ser difundido em todo o país”, acredita Paula Mascarenhas, prefeita de Pelotas.

A publicação

O livreto explica como a terceira cidade mais populosa do Rio Grande do Sul, com aproximadamente 340 mil habitantes, está conseguindo reduzir os índices de violência na cidade. Entre maio e setembro de 2017, o número de roubos a pedestres teve uma queda de quase 70%; o número de roubo de veículos caiu 60%; e roubo a estabelecimentos comerciais e financeiros de Pelotas teve diminuição de 16%. Pelotas ainda conseguiu reduzir em quase 70% o número de acidentes de trânsito com morte nas vias municipais.

“As cidades têm um papel chave se nós quisermos realmente reduzir esses dados trágicos de violência que o Brasil tem vivido ano após ano. No livreto descrevemos toda a metodologia utilizada de uma forma simples, objetiva e detalhada, com o objetivo de replicar essa experiência para outras cidades que também tenham a disposição de empreender esforços para reduzir a violência”, explica Alberto Kopittke, secretário-executivo do Instituto Cidade Segura, parceiro técnico na execução da frente em Pelotas.

Com a criação do Observatório de Segurança Pública de Pelotas e mais de 70 reuniões já realizadas, o Pacto Pelotas pela Paz foi dividido em cinco eixos com atividades integradas, metas definidas e acompanhamento da eficiência de resultados: Policiamento e Justiça, Prevenção Social, Fiscalização Administrativa, Urbanismo e Tecnologia. Além disso, trabalha focos como a redução do homicídio, redução dos números de roubo de carro, prevenção a roubo de pedestres e diminuição de casos de perturbação do sossego.

“Para escalarmos e disseminarmos a experiência e as boas práticas do Juntos com um maior número de cidades brasileiras, contamos com uma estratégia de produção de conhecimento que, entre outras ações, desenvolve publicações como esta. Nossa ideia é que este material sirva de inspiração, referência e guia para quem anseia a melhoria da segurança pública”, conta Regina Esteves, diretora-presidente da Comunitas.

Clique aqui e conheça o livreto!

 

 

Sobre parcerias técnicas

Os parceiros técnicos são os atores que detêm o conhecimento técnico especializado e a metodologia que o grupo recorre para enfrentar algum desafio específico. A Comunitas contrata os consultores com os recursos que os líderes empresariais investem, o que significa que o Programa Juntos não produz custos para os municípios. Os consultores especializados são escolhidos de acordo com os desafios identificados conjuntamente entre o Núcleo de Governança e as lideranças públicas.

Deixe um comentário