boa-noticia-nossos-prefeitos-nao-desprezam-evidencias-cientificas-diz-pesquisa

Boa notícia: nossos prefeitos não desprezam evidências científicas, diz pesquisa

Estudo observou 2.150 dos 5.570 chefes do Executivo municipal.

Prefeitos brasileiros estão abertos à influência de estudos acadêmicos? Caso estejam, esses trabalhos alteram suas crenças e ações?

Publicação recente do NBER, o National Bureau of Economic Research, dos EUA, ensaia respostas a essas questões —e pode-se até afirmar que, em tempos de terraplanismo, elas dão algum conforto à alma.

Leia também: Ciências e humanidades, menos impressões e mais evidências científicas

Produzido por pesquisadores de três universidades americanas (Harvard, Colúmbia e a da Califórnia) e de um instituto (Innovations for Poverty Action), o estudo observou 2.150 dos 5.570 prefeitos brasileiros.

O que essa evidência científica indica é que nossos gestores não são refratários à evidência científica, ao contrário do que sugerem nossas evidências menos, digamos, científicas.

Foram feitos dois testes. Um deles buscou medir o interesse dos prefeitos por estudos sobre políticas para a primeira infância. Conclusão: eles “parecem valorizar evidências e mudar suas crenças de maneira relativamente sofisticada”.

Leia também: Inédito no país, Pelotas terá estudo para prevenir violência com base em evidências científicas

O segundo teste procurou saber se pesquisas que mostram a eficácia de enviar cartas aos contribuintes alteravam as ações dos prefeitos.

Após apresentar evidências aos políticos e acompanhar as prefeituras por dois anos, os pesquisadores afirmaram: “Quando os líderes brasileiros recebem informação sobre o impacto de uma política, eles modificam a linha de suas políticas”.

O estudo alerta, porém, que parece haver problema em fazer a informação circular e diz que é limitado, por aqui, o alcance de entidades que pesquisam políticas públicas.

Leia também: “Não podemos mais gastar recursos públicos sem uso de evidências nas estratégias”, explica especialista em Segurança Pública

Em adendo ao trabalho dos pesquisadores, vale lembrar que os prefeitos mais e mais vão negociar com gente que produz informação em escala imensa. Bom exemplo é o da área de mobilidade. O grosso dos dados sobre o uso de bicicletas e patinetes é produzido pelas próprias empresas, que têm natural interesse em influenciar os gestores. Os administradores públicos precisam como nunca de mais fontes confiáveis de pesquisa para poder decidir.

 

 

Postado originalmente no jornal Folha de São Paulo.

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email