bisc-2018-investimentos-sociais-brasileiros-mantem-patamar-e-distribuicao-esta-mais-uniforme

BISC 2018: Investimentos sociais brasileiros mantém patamar e distribuição está mais uniforme

Mesmo operando em situações adversas, as empresas do BISC se esforçaram para preservar os programas em benefício da sociedade, sinalizando seu compromisso com a causa social.

Os dados demonstrados no último relatório Benchmarking do Investimento Social Corporativo (BISC), lançado em dezembro, merecem ser comemorados: em 2017, as empresas do BISC mantiveram os investimentos sociais no patamar de R$ 2,4 bilhões, mesmo com o cenário econômico desfavorável dos últimos anos.

Mas ampliação dos investimentos não foi generalizada

Mesmo com a manutenção dos investimentos, houve movimentos diferentes dentro do grupo BISC, resultado de efeitos diferenciados da conjuntura econômica nos diferentes ramos de negócios.

Leia mais: Bate-Bola | Superintendente do Itaú Social, Angela Dannemann aborda investimentos sociais corporativos na educação

Cerca de 60% das empresas reduziram seus investimentos sociais, sendo que em 23% delas a redução foi superior a 25%, na comparação com os valores aplicados em 2016. Porém, o acréscimo ocorrido nas demais empresas e fundações integrantes do grupo compensou a redução.

Medidas adotadas para combater a recessão e engatar um processo de recuperação da economia evidenciam, de forma mais clara, o impacto diferenciado da economia brasileira no total dos investimentos sociais.

Fonte: BISC 2018

 

Investimentos sociais mais distribuídos

Outra notícia que merece destaque é a distribuição espacial mais equilibrada dos investimentos sociais do grupo. Nas primeiras edições da pesquisa BISC era nítida a forte concentração dos recursos nas regiões mais desenvolvidas do país. Em 2009, por exemplo, mais da metade dos recursos (52%) foram alocados sobretudo, no Sudeste e Sul. Já em 2017, tal percentual se reduziu para 29%, ficando semelhante ao valor investido nas regiões Norte e Nordeste – o que torna os investimentos menos concentrados regionalmente.

Leia mais: Gerente geral do Instituto Votorantim, Rafael Gioielli aborda investimento social corporativo para desenvolvimento territorial

O motivo? 75% das empresas e 57% dos institutos ansiaram focar o atendimento nas demandas das comunidades instaladas no entorno dos empreendimentos econômicos.

 

Fonte: BISC 2018

 


 

Para saber mais sobre tendências e desafios do investimento social corporativo brasileiro, clique no banner e faça o download do Destaques BISC 2018.

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email