5-governos-que-andam-fazendo-a-diferenca-em-seus-hospitais

5 governos que andam fazendo a diferença em seus hospitais

No Dia do Hospital, selecionamos exemplos de inovação no serviço de saúde, para que sirvam de inspiração.

 

#1  Na Bahia, primeira parceria público-privada do Brasil no setor de saúde

Em Salvador, o Hospital do Subúrbio, localizado em Periperi – um dos bairros mais violentos da capital baiana, foi a primeira unidade hospitalar pública brasileira a funcionar por meio de parceria público-privada.

O contrato firmado entre o Governo da Bahia e o Prodal Saúde, empresa que ganhou a concessão para administrar o hospital por dez anos, inclui serviços de saúde, operação, aquisição, manutenção e reposição de mobiliário e equipamentos médico-hospitalares, além de serviços como alimentação, higienização e segurança da unidade hospitalar. Tudo isso é realizado com custo 10% inferior aos hospitais geridos pelo próprio governo, segundo a Secretaria de Saúde baiana.

O desempenho do hospital é avaliado permanentemente por três entidades: a Comissão de Acompanhamento e Gestão da Secretaria da Saúde, uma empresa de auditoria independente que monitoria e valida, e da Organização Nacional de Acreditação e das auditorias do SUS e do estado.

Inaugurado em 2010, o Hospital do Subúrbio foi premiado pela ONU (2015), pelo Banco Mundial (2013) e pela World Finance and Infrastructure 100 (2012).

Leia também: A complexidade da gestão em Saúde

Foto: Secom/Bahia

 

 

#2  Na Colômbia, site acompanha desempenho dos hospitais públicos

No último mês de junho, o Ministério da Saúde e Proteção Social da Colômbia lançou uma plataforma que permite ao cidadão observar e acompanhar o desempenho dos hospitais públicos do país de forma trimestral.

O mapa de desempenho é baseado em 24 critérios no total, que consideram gestão, saúde e território onde o hospital está localizado. São analisados pontos como tempo de espera para realização de consulta de clínica geral tempo de espera para atendimento de urgência, gestão entre receitas e despesas e gasto acumulado com contratos e folha de pagamento.

Os resultados global, territorial e institucional são registrados e georreferenciados na plataforma, que permite verificar a comportamento dos hospitais e traçar suas tendências através do tempo. Com isso, medidas corretivas podem ser tomadas pelos seus respectivos órgãos responsáveis.

Segundo o governo colombiano, o intuito do projeto é firmar um pacto para fortalecimento dos hospitais públicos – com foco na melhoria na prestação de serviços, além de fortalecer a transparência perante o cidadão.

Leia também: Em Goiás, Programa Juntos apoiou processo de transição na área da saúde pública estadual

 

 

#3  Na Tailândia, diagnósticos e prontuários modernos

Fundado em 1988, o Hospital Ramkhamhaeng, localizado em Bangkok, capital tailandesa, continua se reciclando. Ao chegarem no hospital, os pacientes se deparam com alta tecnologia desde o momento em que entram pela primeira vez, quando recebem um “cartão-guia” que contém seus dados junto com um código de barras.

A equipe médica examina esses cartões para garantir que os registros, identidade, arquivos e necessidades de medicação dos pacientes sejam compatíveis. Quando os médicos fazem seus diagnósticos, eles inserem os dados eletronicamente, com a receita sendo transmitida para o departamento farmacêutico do hospital. Para pacientes internados, Ramkhamhaeng utiliza um robô de distribuição de medicamentos, que também diminui o risco de erro humano e acelera o processo.

 

 

#4  Nos Estados Unidos, tecnologia previne quedas dos pacientes

Segundo a Agency For Healthcare Research And Quality, um número entre 700 mil e 1 milhão de pacientes sofrem quedas em hospitais americanos, anualmente. Com isso, os pacientes que sofrem lesões em consequência destes acidentes somam 6,3 dias para o custo de internação em torno de US $ 14.000, em média.

Para prevenir este tipo de acidente, o El Camino Hospital, localizado na Califórnia, as equipes clínicas do El Camino Hospital introduziram um novo método proativo de prevenção.

A plataforma analisa as entradas de dados de várias fontes (por exemplo, dados de botão de chamada e movimentação de leito) em tempo real e aplicaram algoritmos avançados para prever exatamente quais pacientes estavam em risco de queda iminente.

As equipes de atendimento são alertadas de pacientes em situação de risco em tempo real por meio de dispositivos de comunicação sem fio, e agem imediatamente antes do possível ferimento ou queda. Como resultado, o hospital teve uma redução de 39% nas quedas em um período de seis meses, em 2015, ano de implementação do projeto.

Leia também: Trabalho de modernização da saúde pública de Juiz de Fora é finalizado

Foto: Pivot Interiors

 

 

#5  No Rio Grande do Sul, Rede Bem Cuidar visa estimular a saúde, não somente tratar doenças

Resultado de uma parceria entre a Comunitas e a Prefeitura de Pelotas, a Rede Bem Cuidar foi construída coletivamente a partir de ações que valorizem não somente o saber técnico, mas, também, que priorizem cuidado nas relações humanas, resgatando a confiança no atendimento público, tornando-se um agente propulsor de mudanças em todos os níveis de atendimento à saúde.

O trabalho foi realizado em um processo de cocriação que envolveu população, servidores e gestores da área da saúde na definição de avanços na saúde pública municipal, com serviços inovadores e uma estrutura física focada no acolhimento dos usuários.

Atualmente são cinco Unidades Básicas de Saúde, com 160 profissionais trabalhando no atendimento de mais de 12 mil pessoas mensalmente, em consultas médicas, enfermaria, acolhimentos e farmácia.

Os locais contam com consultórios odontológicos e atendimento psicológico, farmácia distrital – que distribuem para a população diversos medicamentos de alto custo, horta, cozinha experimental e academia ao ar livre. Tudo isso pensando em prevenir, além de que curar.

Leia também: Saiba como as cidades de Campinas, Pelotas e Santos envolveram os cidadãos na busca por inovação em saúde

Foto: Agência Tellus

Deixe um comentário:

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email