5-duvidas-sobre-investimento-social-corporativo

5 dúvidas sobre investimento social corporativo

Com o investimento social corporativo, as empresas assumem o compromisso e sua parcela de responsabilidade no desenvolvimento social e econômico do Brasil. Tire suas dúvidas.

 

#1 Investimento social corporativo é a mesma coisa que caridade?

Não, existe uma fronteira que separa a filantropia e os investimentos sociais privados. Filantropia consiste na prática de ações isoladas, com sentimentos de caridade e altruístas. Nos investimentos sociais privados as aplicações são realizadas de forma planejada, estruturada e, cada vez mais, alinhada aos negócios.

Segundo a pesquisa BISC 2017, que celebrou os 10 anos da publicação, é unanimidade entre os executivos sociais de que antigamente a filantropia estava muito presente na atuação da empresa, porém, de lá para cá, ocorreu uma guinada na direção de uma atuação mais estruturada e transformadora, de médio e longo prazos, caracterizando-se como investimentos sociais.

Leia mais: Bate-Bola | Coordenadora do BISC, Anna Peliano comenta a pesquisa e os investimentos sociais corporativos do Brasil

 

#2 As empresas brasileiras somente investem dinheiro em projetos sociais de vez em quando?

Os investimentos sociais das empresas brasileiras estão consolidados. Ainda de acordo com o BISC, apesar das oscilações econômicas, as empresas mantiveram um padrão de investimentos compatível com os internacionais. A média anual dos valores investidos pelo grupo BISC, no período de 2007-2011, foi de R$ 2,3 bilhões; nos últimos cinco anos essa média subiu para R$ 2,8 bilhões/ano.

E mais: o esforço empreendido pelas empresas para preservar os investimentos sociais numa conjuntura adversa se reflete na parcela do lucro líquido destinado aos projetos sociais: em 2016 a mediana dos percentuais foi de 2,13%, um padrão próximo ao observado em 2014.

Leia mais: Com 20 bilhões de reais em 10 anos, investimento do setor privado em programas sociais está consolidado

 

#3 As empresas só investem socialmente porque ganham isenção fiscal?

Os incentivos fiscais são importantes, porém não constituem a principal fonte de financiamento.

De acordo com o BISC 2017, dados confirmam que os investimentos sociais no Brasil são financiados basicamente por recursos próprios. Merece destaque os resultados dos dois últimos anos: os incentivos ficaram um pouco abaixo de 20% do total investido pelo grupo BISC. Em 2016 o valor dos incentivos fiscais utilizados foi da ordem de R$ 458 milhões, o que em valores absolutos corresponde a uma redução de 14% em relação aos valores captados no ano anterior.

 

#4 É ruim alinhar os investimentos sociais ao negócio da empresa?

As empresas estão percebendo que não. O processo de alinhamento dos investimentos sociais aos negócios vem ocorrendo de forma acelerada nos últimos anos: 75% das empresas declaram ter destinado, em 2016, mais da metade dos seus investimentos para projetos sociais alinhados aos negócios – em 2013 esse percentual era de 50%.

A partir da experiência adquirida nos últimos anos, as empresas estão mais otimistas em relação às vantagens que o alinhamento dos investimentos sociais pode trazer. Hoje, a maioria absoluta delas concorda totalmente com a afirmação de que a aproximação com as áreas de negócios amplia, por exemplo, a adesão interna e isso é essencial para o sucesso dos investimentos sociais.

Leia mais: BISC 10 ANOS COMPROVA | Educação mantém-se como prioridade dos investimentos sociais corporativos

 

#5 Os investimentos sociais privados não podem estar alinhados às políticas públicas?

Vamos lá: Ainda segundo o último relatório BISC, os benefícios das relações público-privadas no campo social superam as expectativas. Comparando os motivos que mobilizavam as parcerias público-privadas em 2010, com os benefícios percebidos em 2016, observa-se que esse trabalho conjunto superou as expectativas. Atualmente, por exemplo, dois terços das empresas consideram que a aproximação com as políticas públicas amplia a visibilidade dos seus investimentos sociais e melhoram a sua qualidade. Anos atrás, poucas delas apostavam nessas vantagens.

À exemplo do Programa Juntos, também liderado pela Comunitas, que reúne grandes lideranças da iniciativa privada, que assumiram o compromisso de gerar impacto sistêmico a partir da qualificação dos investimentos sociais corporativos e da atuação em parcerias com administrações municipais.

Leia mais: Quiz | O que você sabe sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável?

 

Para entender melhor esses e outros dados sobre investimento social privado, confira a pesquisaBISC 2017, que analisou os compromissos sociais das empresas do grupo nos últimos dez anos.

Quer ter mais impacto com os investimentos sociais da empresa? Conheça o BISC.

Deixe um comentário:

Deixe um comentário

Facebook
Twitter
LinkedIn
YouTube
Instagram
Siga-nos por email